Na Cozinha com Geraldo Azevedo

0
Na Cozinha com Geraldo Azevedo

Geraldo Azevedo

A musicalidade do pernambucano de Petrolina, Geraldo Azevedo, divide o espaço com os temperos e sabores de sua cozinha. Para ele, um prato bem apresentado abre o apetite, assim como os aromas despertam nossa fome.

O artista diz que sabe se virar na cozinha e relembra uma composição que relaciona música e comida. “Tenho uma canção, o Oitavo Pecado Capital, do disco Tempo Tempero, que fala da farinha e da rapadura. Tem um trecho que diz ‘eu quero é mais tempero nesse pirão”.

Atualmente, Geraldo está lançando o primeiro DVD. A novidade são os desenhos do cantor usados como cenário e figurinos. “A Mônica Martins soube através da minha filha, Gabriela Azevedo, que eu desenhava e fez um belo trabalho a partir deles. Acho que os meus fãs não conheciam esse meu lado”, diz ele.

No palco, estarão com ele artistas que participaram de sua carreira, além de seus filhos Lucas, Tiago e Clarice, assim como Gabriela, na direção do DVD.

Geraldo Azevedo fala de seu novo projeto, o CD Salve São Francisco. “Como o rio São Francisco é muito marcante na historia da minha vida, por eu ter nascido em Petrolina, resolvi fazer um CD de músicas que falam sobre o rio e convidei para participações especiais artistas dos estados irrigados pelo Velho Chico”.

Dentre eles estão Moraes Moreira, Alceu Valença, Ivete Sangalo, Djavan, Dominguinhos, Fernanda Takai, Maria Bethânia, Roberto Mendes e Geraldo Amaral. “Precisamos estar atentos para a questão da preservação das fontes de água potável, que é item vital para toda a humanidade e já estão se esgotando”, finaliza o artista.

Geraldo Azevedo Na Cozinha

Criança – As frutas que davam na roça lá de casa: tamarindo, caju, banana, umbu, seriguela. Eram tantas. Peixe, que às vezes era nossa responsabilidade pescá-los para levar o alimento para casa.

Com os amigos – Não tem nada especial não, gosto de comer o de sempre. Depende do restaurante. Sempre é bom dividir uma pizza com os amigos.

Café da manhã – Um suco de fruta, fibras como linhaça ou aveia e sempre termino com um café com leite ou um cappuccino.

Madrugada – Depende, mas geralmente é doce ou queijo.

Restaurante – Um dos meus favoritos é o Alcaparra, no Flamengo ( Rio de Janeiro) e adoro um prato preparado com Bacalhau dessalgado.

Dia-a-dia – Arroz integral, legume, verdura e um peixe ou frango.

Só amarrado – Não tem nada que eu não coma, mas acho que eu não comeria cachorro nem amarrado. Sei que tradições alimentares estão relacionadas a cada cultura e há lugares onde se come carne de cachorro, mas acho que não comeria nem amarrado.

Tradição – Ah! São muitas, como já disse o pecado que cometo inúmeras vezes é a da gula. Acarajé é uma comida típica, tradicional da Bahia e toda vez que vou a Salvador tenho que comer e ainda compro para levar para casa.

Copo – Água e vinho

Sonho – Acho que não tenho muito essa onda não, mas gostaria de provar faisão por exemplo.

Trabalhando – Atualmente queijos e vinhos.