Entrevista com a Chef Mariana Rodrigues

0

Entrevista com a Chef Mariana Rodrigues

Ecochefs: Um novo sabor na alta gastronomia

Mariana Rodrigues, chef e professora de culinária, produtora gastronômica em TV, consultora de restaurantes e empresas do setor alimentício, colunista, blogueira e amante da gastronomia é o destaque desta edição.

Para ir fundo na gastronomia, Mariana está sempre pesquisando diferentes culinárias em laboratórios. Às vezes, faz longas viagens para conhecer in loco particularidades de cada cozinha. Seu roteiro gastronômico e cultural inclui países como Portugal, Espanha, França e o Brasil, claro.

A chef se preocupa também com o cultivo cada ingrediente que utiliza e defende que a sua cultura seja feita de forma consciente, respeitando o meio em que vivemos. Confira agora o bate-papo com Mariana Rodrigues.

Como surgiu o interesse pela cozinha?
Eu comecei a observar minha mãe na cozinha fazendo os bolos de aniversário da família. Era uma receita da minha bisavó. Minha me colocava em um banquinho verde, de madeira, ao lado, para que eu pudesse aprender tudo. E com sete anos de idade, observava a batedeira, que também era herança da minha bisavó.

E sua formação profissional, como foi?
Depois de passar por uma faculdade de Artes e de Arquitetura, resolvi, após uma pausa na minha vida, que queria investir na carreira. Comecei a fazer comida congelada e entrei no curso de Gastronomia e Culinária, para me aperfeiçoar. Meu primeiro trabalho foi com o Chef Checho Gonzales (Antigo Restaurante Pecado aqui no Rio, e agora em SP no AJÍ). Com ele aprendi muito sobre disciplina, organização e limpeza na cozinha. Foi, sem dúvida, minha maior escola! Depois voei para outras empreitadas, fiz estágios aqui, no Brasil, com o Chef Paulo Martins, de Belém; e também fora do País, com o Chef Vítor Sobral. Passei por alguns restaurantes. Chefiei um de Tapas Espanholas e ainda trabalhei com a Roberta Ciasca, no Miam Miam. Tinha uma grande cozinha, com pessoas muito especiais.

Quais são suas influências gastronômicas?
Gosto da comida na sua essência. Adoro a comida da minha mãe e avó, mas as cozinhas indiana e tailandesa me fascinam pelo aroma e sabor exótico.

Como você define sua cozinha?
Minha cozinha é simples, saborosa e minha única intenção é que ela fique registrada na memória das pessoas. Que dê vontade de comer outra vez!

Algum ingrediente não entra em suas produções?
Acho que existem muitos ingredientes no mundo. Estou sempre me renovando na cozinha e testando novos produtos. Não penso em nada agora que não utilize na minha cozinha.

Qual sua obra prima na cozinha?
Pode até parecer engraçado, mas minha obra prima foi meu primeiro bolo aos 11 anos de idade, para o aniversário de uma professora no colégio. Ele virou o “bolo da Mariana” e todo aniversário dos amigos e professores, lá ia eu fazer o bolo. Até hoje minhas velhas amigas me ligam pedindo a receita.

Sua paixão na cozinha, o que te emociona?
Fico emocionada com ingredientes frescos, orgânicos e saudáveis. Emociona-me também ver os chefs que respeitam os ingredientes e fazem uso deles de forma consciente no social e no meio-ambiente.

Como acha que será o futuro da gastronomia?
Eu espero que a geração que está se formando agora valorize um pouco mais a cozinha simples, saborosa e bonita. E, também, de preferência, que saiba dar valor aos ingredientes e produtores locais, além daqueles ingredientes de estação, sazonais. Isso é respeitar o ingrediente e o cliente.

Fale um pouco sobre o TV Cozinhando, como começou o projeto?
Fui chamada por uma grande amiga para fazer parte do projeto. Eu adoro televisão e topei na hora. Sentamos com a equipe e os idealizadores, começamos a separar as receitas e fomos gravar. No TV Cozinhando coloquei todo o meu carinho e amor pelos internautas que curtem cozinhar. Espero que todos estejam adorando!

Fale também sobre o Ecochefs.
Eu já participava do Slow Food, um movimento que valoriza o bem comer e os produtores locais, quando essa história começou. Teresa Corção e Margarida Nogueira são duas pessoas que moram no meu coração. Teresa está no comando do Instituto Maniva, uma ONG que leva a valorização da mandioca a todas as pessoas. Principalmente, às pessoas mais simples, que não tem muito acesso a cultura gastronômica. Um dia, Teresa resolveu juntar todos nós, cozinheiros, para formar um grande grupo de chefs, com responsabilidade social e ambiental: o Ecochefs. Estamos engatinhando, com força total, e logo ficaremos de pé, para o Brasil ver que dá pra fazer muito pelo próximo e pelo meio ambiente. Valorizamos a agricultura familiar e produtores locais. Isso é o sonho de todo cozinheiro. Eu adoro fazer parte deste grupo lindo. Para mim é uma honra. Sinto-me mais humana e colocando em prática aquilo que é meu dom, alimentar!

Atualmente, com está sua vida profissional, projetos e afins?
Ufa! Como sempre uma loucura. Estou fazendo consultorias para restaurantes, estou na chefia executiva do novo Café Del Mar, que abrirá em Búzios, em Copacabana, aqui no Rio de Janeiro. Além disso, acabo de gravar um programa de culinária pela FOX Brasil, que estréia em janeiro. Além do TV Cozinhando, Ecochefs, o meu Blog e uma coluna no informativo Malagueta Comunicação.

Enfim, o que a chef gosta de comer?
Esta pergunta é clássica! Vamos por partes porque a lista é enorme. Adoro qualquer coisa que minha mãe e avó façam. Adoro os bolinhos de aipim da Lili, que ajuda minha mãe, no dia-a-dia da casa, há dez anos. Adoro a rabanada, da tia Nilza; o bobó de camarão, da tia Neinha; o churrasco, do Paizão. O Strogonof, da minha amiga Marina, e uma sobremesa, da chef Flávia Quaresma, chamada “Loucura de chocolate”. É de comer de joelhos. Enfim, gosto de comida que fique na memória.