15 blocos de carnaval cujos nomes mereciam um verdadeiro prêmio

0

Você preferiria pular carnaval com o pessoal do “Suvaco do Cristo”, no Rio, ou do “Arrianu Suassunga”, em São Paulo?

12711088_1111504528882862_5471025544568182481_o

Carnaval é hora de usar a criatividade: tem que inventar fantasia,  cantadas novas para ~pegar geral~ ou até destinos longínquos para fugir da bagunça.

Para os foliões responsáveis pelas 15 festas itinerantes a seguir, imaginação é o que não falta na hora de dar nome a bloquinhos de carnaval.

1. Suvaco do Cristo

12973463_984150721670956_8762810091798792838_o2

O bloco nasceu em 1985 (!), no Rio de Janeiro, no bairro do Jardim Botânico. O nome surgiu a partir de uma entrevista de Tom Jobim. “Ele reclamava do mofo nos armários de sua casa na Lopes Quintas, dizendo que era lá o suvaco do cristo”, contam os organizadores no site do bloco

 

2. Tô de Bowie

12711088_1111504528882862_5471025544568182481_o (1)

A primeira edição do bloco aconteceu no ano passado, pouco tempo depois de David Bowie ter morrido. Em sua estreia, reuniu cerca de 40 mil pessoas no Centro de São Paulo.

 

 

3. Siriricando

16142247_660968300747990_2656432341976186697_n

“Até então não havia um bloco na cidade para celebrar como é bom gostar de mulher e ser sapatão!”, contam as organizadoras no Facebook. O Siriricando vai ter ensaio no dia 29 de janeiro e vai rolar oficialmente no dia 4 de março, perto da Praça Roosevelt, em São Paulo. 2017 será seu primeiro ano.

4. MinhoQueens

O bloco est15319108_1824790657791389_8171009515385581026_nreou também em 2016, em São Paulo, e tem inspiração LGBT. O plano inicial era que a festa acontecesse, obviamente, no Minhocão – mas isso acabou não sendo possível. “Falaram que não era seguro”, conta Fernando Magrin, um dos organizadores do bloco, ao portal O Tempo. Ao invés disso, o evento acontece nas ruas da Santa Cecília.

 

 

23

5. México pra Baixo

O bloco para quem é “a Maria do bairro de Piñeiros” vai estrear em 2017. Tem inspirações ~latinas~ e sugere que os participantes encarnem divas como Thalia, Shakira, Gretchen e Gloria Estefan.

6. Tô de Chico

Não, esse bloco não tem nada a ver com menstruação. Ao invés disso, ele homenageia três dos maiores Chicos brasileiros: Buarque, Science e César. Este ano, ele vai rolar em duas datas diferentes, no bairro da Lapa, em São Paulo.

7. Sargento Pimenta

16002846_1216855478394990_6346035604267265830_nCom versões abrasileiradas do repertório dos Beatles, esse bloco move multidões tanto no Rio, de onde é originário, quanto em São Paulo.

 

 

8. Plantão bom é samambaia

Or12466058_1688499914722860_885378765884843574_o2ganizado por estudantes de medicina da UERJ (claramente frustrados com seus plantões), o bloco acontece na Zona Norte do Rio, na Praça Maracanã.

 

 

9. Sunday Bloco Sunday

Dedic12747372_788713004566043_441283265638623231_oado ao U2, esse bloco temático acontece em Niterói  e conta, além das músicas, com um concurso de fantasias inspiradas da banda.

 

 

10. Mulheres Rodadas

O bloco 14925727_727852430713219_2912122101070896536_né abertamente feminista e surgiu depois de a frase “Não mereço mulher rodada”, por conta de uma foto, ter viralizado na internet. Uma de suas organizadoras, Flavia Soares, contou ao Intercept acreditar que o carnaval “acaba sendo um palco onde a gente encena o mundo que a gente quer ver acontecer”. Não é lindo? 

 

11. Largo do Machado, mas não largo do copo

“É só uma volta pelo Largo do Machado, para ninguém ficar tonto”, brinca Lula Dias, presidente do bloco, em entrevista ao jornal O Globo. O evento acontece no Flamengo, no Rio de Janeiro.

12. Eu choro curto mas Rio Comprido

O bloco acontece em Rio Comprido, na região central no Rio de Janeiro.

13. Domingo Ela Não Vai

Adivinha o dia em15123217_1335062913193647_8980128966630536575_o que esse bloco paulistano acontece? Dedicado ao axé, ele rola (sim) no domingo e vai contar com participação especial da maravilhosa Gretchen esse ano.

 

 

14. Arrianu Suassunga

15965325_10210504452023587_3441386123355435414_nO nome é inspirado no autor paraibano Ariano Suassuna – e os movimentos do bloco, no bailarino Ângelo Madureira. O estandarte do grupo é no maravilhoso formato de uma sunga – e seu percurso acaba no bar C* do Padre, no bairro paulistano de Pinheiros.